11dez

Você já ouviu falar em geobiologia residencial?

Você já ouviu falar em geobiologia residencial?

Muito além de moradia, a nossa casa tem sido cada vez mais um refúgio e abrigado experiências profissionais, de convivência e, claro, bem-estar. Mas nem sempre esse espaço está equilibrado e povoado de boas energias, mesmo sendo o nosso cantinho. Para saber como anda a saúde do seu lar, existe uma ciência chamada geobiologia residencial.

Ela estuda cientificamente o impacto das construções na vida das pessoas, analisando a interferência de campos eletromagnéticos, presença de água subterrânea, poluição do ar, entre outros fatores. Tudo o que pode trazer uma sensação ruim para o espaço é considerado, mesmo que não seja algo facilmente detectável.

Vamos explicar melhor como funciona essa medicina do habitat, como conseguir uma boa harmonização com orientações ligadas à iluminação, eletrônicos, móveis adequados, e muito mais. Se, além de bem-estar, sua meta é ter uma casa saudável e equilibrada, continue lendo e aplique as nossas dicas.

O que é geobiologia residencial?

A geobiologia é uma ciência que surgiu na Alemanha, após a Segunda Guerra Mundial, e começou a ser desenvolvida com a percepção do impacto que certas moradias — construídas de forma apressada — causavam na vida das pessoas.

Estudos feitos nesses locais mostraram que um certo padrão de doenças se desenvolvia nos recintos por causa da estrutura das construções, que não permitiam que certos compostos orgânicos voláteis se dissipassem.

Os fatores mais comuns para esse tipo de interferência, na época, eram a existência de campos eletromagnéticos, água subterrânea sob as construções ou ação de falhas tectônicas. A presença de certas condições gerava as chamadas zonas de estresse ou de perturbação, que interferiam no funcionamento cerebral e na produção de certos hormônios, como a melatonina, que regula nosso sistema imunológico e o ciclo biológico (ritmo circadiano).

Assim, as pessoas tinham problemas de saúde, sentiam-se mal nos ambientes, mas não tinham uma explicação tão óbvia para justificar esse impacto. Só com o advento da geobiologia que esses problemas ganharam uma explicação plausível e solução objetiva.

Além de questões mais ligadas à natureza, o advento da tecnologia e a modernização das construções acrescentaram outros distúrbios nesse tipo de análise, como a poluição gerada por dutos de ar-condicionado, o impacto dos aparelhos eletrônicos e o estresse causado por eles.

Quais são os benefícios da Geobiologia Residencial?

A geobiologia usa técnicas e princípios da radiestesia. Atua para diminuir zonas de estresse e o excesso de equipamentos que emitem radiação, além de manter a radiação eletromagnética em valores aceitáveis pela legislação de cada país.

No Brasil, quem controle esses índices é a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que fiscaliza quando os valores podem causar impactos e mal-estar na população.

Equilíbrio

Na prática, a geobiologia pode ser aplicada no planejamento das construções, com a análise do solo, desenvolvimento de uma edificação que opte por iluminação e ventilação mais naturais, além de materiais menos poluentes, como tintas, acabamentos e até materiais de limpeza a serem usados no espaço posteriormente.

Esse cuidado gera um impacto positivo na vida de quem vai habitar o local, mas também do espaço no seu ambiente e comunidade como um todo, formando um sistema mais natural.

Cura do ambiente

Mas e quando esses cuidados não foram tomados durante a construção da residência ou espaço de moradia? É possível curar o ambiente com a geobiologia? A resposta é sim! Quando um local não está equilibrado, ele influencia de maneira negativa na vida dos seus moradores e pode trazer:

  • distúrbios de sono e cansaço;
  • nervosismo e estresse;
  • dificuldade de raciocínio e criatividade;
  • problemas na hora de se concentrar.

Harmonização

Mesmo quando há a análise dos impactos eletromagnéticos, mas não é possível mudar a construção, a geobiologia residencial propõe alterações nos cômodos para diminuir as ações negativas. Assim, mesa de trabalho, cama ou fogão, por exemplo, podem ser posicionados em um espaço mais neutro possível.

No mais, vale fazer mudanças para ter mais qualidade de luz, renovação de ar, uso de materiais verdes — que conservem a temperatura local — e presença de plantas no espaço.

Tenha cuidado, ainda, na hora de escolher as cores da sua casa para que promovam o conforto térmico e visual. Também evite carpetes que possam acumular sujeiras e trazer doenças para o ambiente.

Como ter uma casa saudável?

Se você identificou alguns fatores que podem estar atrapalhando o bom andamento da sua casa e suas funções, saiba que pode promover algumas mudanças agora, de acordo com as boas práticas da geobiologia.

Invista em móveis planejados

Nada melhor que ter modelos adequados para o seu uso, conforme as exigências dos seus moradores e que aliem beleza e conforto. Nesse sentido, investir em móveis planejados é uma ótima opção, já que eles vão ser elaborados por profissionais acostumados a identificar necessidades, sugerir mudanças e até personalizar a cor dos móveis planejados, de acordo com tendências ou inspirações pessoais.

Retire equipamentos eletrônicos dos quartos

A vida moderna inundou nossas casas e o dia a dia de aparelhos eletrônicos. O que pode parecer símbolo de conforto se configura em poluição e excesso de interferência de campos magnéticos.

Como obter relaxamento (e o estímulo de hormônios adequados a essa fase) com a luz da TV, o celular, a interferência do assistente pessoal e o computador? São muitas influências que não combinam com o que o espaço e o momento propõem, e pioram a saúde. Assim, procure:

  • retirar o máximo de aparelhos eletrônicos dos quartos;
  • deixar o celular de lado pelo menos uma hora antes de dormir;
  • tirar os equipamentos eletrônicos da tomada.

Tenha uma iluminação adequada

Outra mudança simples e que pode ajudar na hora de transformar o seu quarto em um templo de descanso é usar uma iluminação mais baixa, que induza ao sono.

Se o seu quarto é um espaço de dormir e vestir, por exemplo, deixe lâmpadas mais claras para o dia e lance mão dos spots, pendentes ou abajures à noite. Eles auxiliam na leitura de um livro no final da noite, por exemplo, proporcionando o relaxamento.

Como vimos, a geobiologia residencial é uma ciência dedicada a analisar a saúde de uma edificação e trazer bem-estar para seus moradores com algumas modificações.

Com a análise das influências eletromagnéticas — que podem vir de falhas geológicas, presença de água subterrânea e ação de aparelhos eletrônicos —, é possível melhorar a capacidade de concentração e criatividade dos habitantes de uma casa, a qualidade do sono e a sensação de bem-estar geral.

Para isso, invista na qualidade de vida desses espaços com móveis adequados, menos eletrônicos, luz personalizada e boa ventilação. Assim, respiram as ideias e os moradores de uma casa saudável.

E se você curtiu nossas dicas envolvendo geobiologia residencial, que tal compartilhar este conteúdo nas suas redes sociais?

Olá, tudo bem? Gostaria de informações sobre a Finger.